Rosalind Franklin ajudou a desvendar o DNA, mas ficou sem o Nobel

Estudos do qual ela participou renderam a cientistas homens prêmios Nobel de Química e Medicina.

ScreenHunter_2524 Feb. 28 15.27

Por Isabel Valdés em El País

Rosalind Franklin (1920-1958) é uma dessas cientistas cujo trabalho não obteve o reconhecimento que merecia: ela capturou a foto que demonstrou que o DNA era uma dupla hélice. Foram James Watson, Francis Crick e Maurice Wilkins, entretanto, que ganharam o Nobel de Medicina em 1962 por seus descobrimentos sobre a estrutura molecular dos ácidos nucleicos, quatro anos após a morte da cientista britânica por um câncer nos ovários. Sua pesquisa também serviu como base para compreender o RNA, o carvão, o grafite e os vírus.

A vida de Rosalind Franklin foi recheada de obstáculos que foi superando para dedicar-se à ciência. Educada em uma família judaica, passou sempre com honras pelo colégio e os estudos superiores, mas precisou do apoio de algumas das mulheres de sua família para poder ir à universidade: seu pai não concordava que estudasse e lhe pediu que desse a bolsa que havia conseguido a algum estudante que a merecesse. Franklin continuou seu caminho e se doutorou na Universidade de Cambridge em 1945; e fez parte de diversas equipes de pesquisa: na Associação Britânica para a Pesquisa do Uso do Carvão, no Laboratório Central de Serviços Químicos do Estado em Paris, no King’s College e, por último, no Birkbeck College, onde contou com equipe própria e onde desenvolveu um importante trabalho com a estrutura molecular dos vírus, cuja continuação levaria seu colega Aaron Klug a ganhar o Nobel de Química em 1982.

“A ciência, para mim, explica parte da vida. Até onde chega, se baseia em acontecimentos, experiências e experimentos”, afirmou, certa vez.

A biofísica britânica é a segunda cientista retratada pela série sobre Mulheres na Ciência publicada pelo EL PAÍS até o dia 8 de março, quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Assim como a cientista que ajudou a desvendar o DNA (e cujos estudos foram a base para a premiação de colegas homens), as mulheres sempre estiveram presentes em todos os níveis do universo científico, embora a importância da maioria delas tenha sido relegada a segundo plano pela história. Este especial é inspirado no livro As Cientistas: 50 Mulheres que Mudaram o Mundo, de Rachel Ignotofsky (lançado no Brasil pela editora Blucher).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: