Privatização da Eletrobras implicará no aumento significativo dos conflitos pelo uso da água, afirma ex-presidente da ANA

Para o ex-presidente da Agência Nacional de Águas – ANA, Vicente Andreu,  o modelo que está sendo proposto para o sistema Eletrobras no que se refere à gestão dos recursos hídricos no Brasil implicará no aumento significativo dos conflitos pelo uso da água entre o setor elétrico e demais setores.

 

Por Roberta Quintino em UrbanitáriosDF.

O Projeto de Lei que trata da privatização da maior empresa de energia elétrica da América Latina esteve novamente na pauta da Câmara nesta terça-feira, 24, desta vez para tratar da revitalização do rio São Francisco.  De acordo com a proposta, os contratos de concessão dos empreendimentos de geração hidrelétrica localizadas na bacia do rio serão alterados para contemplar uma obrigação de aporte de recursos.

O PL prevê que pelo prazo da nova outorga de 30 anos, os concessionários deverão investir R$ 350 milhões anuais, nos primeiros 15 anos do prazo da nova concessão, e de R$ 250 milhões anuais, nos últimos 15 anos. Totalizando R$ 9 bilhões em três décadas.

De acordo com Ailton Francisco da Rocha, Diretor-Executivo da Secretaria de Meio Ambiente de Sergipe, de imediato, para a revitalização e recuperação de áreas degradadas na Bacia do São Francisco serão necessários R$ 30 bilhões. Ele ressaltou que 48% da área está desmatada.

Para o ex-presidente da Agência Nacional de Águas – ANA, Vicente Andreu,  o modelo que está sendo proposto para o sistema Eletrobras no que se refere à gestão dos recursos hídricos no Brasil implicará no aumento significativo dos conflitos pelo uso da água entre o setor elétrico e demais setores.

Andreu ressaltou a disputa entre a Cemig e a Chesf em relação à alocação de água. No entanto, pontuou que “com espírito público” foi possível tomar uma medida de gestão que impedisse que a crise se transformasse em uma verdadeira tragédia. “Agora é só olhar o que está acontecendo no Rio Madeira, aonde o conflito pelo interesse da manutenção da geração entre Jirau e Santo Antônio inviabilizam concretamente a tomada de uma decisão”, disse.

O ex- presidente afirmou que a solução de conflitos em bacias como a do Rio Madeira tem sido a judicialização. “Diferentemente de uma bacia como a do rio São Francisco aonde ela foi administrada com espírito público”.

Com a gestão do rio São Francisco, a Chesf abastece 80% das cidades do Nordeste e tem uma responsabilidade social, ambiental e estratégica fundamental com a região.

Denúncia

O deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP) evidenciou a publicação da agência Sportlight sobre a contratação da FSB Comunicação pela Eletobras, para difamar a estatal e, assim, viabilizar a venda da Holding. O valor pago é de R$ 1,8 milhão para oito meses de contrato, a assinatura se deu em setembro de 2017.

O Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) havia denunciado a contratação em novembro passado. Na ocasião, o Coletivo informou que a FSB foi contratada por inexigibilidade, uma vez que as contratações de agências de comunicação pelos entes estatais são sempre feitas por meio de licitação. (Leia mais aqui)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: