É possível acreditar em eleições?

A irrelevância crescente dos partidos políticos no Brasil torna o ritual das urnas uma mera formalidade.

Por Jefferson Silveira Dantas em Carta Capital.

O cenário de disputa eleitoral que se descortina, além de não trazer novidades que mexam nos grandes temas nacionais, expressa um panorama no qual as alianças partidárias (indiferenciadas em suas bases programáticas) continuam a perpetuar o velho e conhecido fisiologismo político.

As contrarreformas trabalhista e previdenciária foram o mantra do governo ilegítimo, que só não definhou inteiramente pois o toma-lá-da-cá de cargos e mata-bichos lhe deram a sustentação necessária para que os ataques sistemáticos à classe trabalhadora ganhassem terreno.

O apoio do setor industrial tem sido exemplar também neste quesito. Não são os políticos profissionais que se locupletam com vantagens pecuniárias e os deleites da promíscua relação entre o público e o privado que têm determinado as diretrizes governamentais.

Se tivermos a compreensão de que a definição de Estado ampliado se traduz no âmbito da sociedade política e civil, identificaremos que é justamente na sociedade civil que temos os estratos de classe posicionados, estrategicamente, operacionalizando as políticas públicas em vigor.

A disputa hegemônica e, por conseguinte, as forças sociais em luta, travam-se em diferentes arenas. Como bem assinala a historiadora Virgínia Fontes, na sociedade civil temos os clubes, as associações, os grupos midiáticos, as igrejas, os partidos políticos oficiais, sindicatos, escolas e entidades dos mais diversos fins.

ScreenHunter_2940 May. 23 13.36
A “crise da democracia” é a crise do neoliberalismo. Foto: Mari Nogueira/Agência Senado

Ainda que sejam partidos não-eleitorais, são capazes de aglutinar amplos setores sociais, atuando efetivamente como forças políticas. Assim, todas as mudanças que ocorrem estruturalmente no país, relacionadas ao mundo do trabalho e ao processo formativo na escolarização básica, são decisões políticas e econômicas, mas não necessariamente populares.

Por este motivo, podemos afirmar – e concordando com Virgínia Fontes – que a base programática da educação pública no Brasil é atualmente uma “base programática empresarial, borrando as diferenças entre programas partidários frente às práticas de adoção ou parcerias empresariais com escolas públicas, acatadas por elites de quase todos os partidos”.

A irrelevância e/ou a indiferenciação crescente dos partidos políticos no Brasil torna o ritual das eleições uma mera formalidade. Assim, a “crise da democracia” é a crise do modelo neoliberal, que ao fazer os seus ajustes macroestruturais não perde de vista a elevação das taxas de lucro, submetendo imensa parcela da população brasileira à indigência e ao endividamento.

 

2 comentários em “É possível acreditar em eleições?

Adicione o seu

  1. Olá!

    Bem… a questão colocada é hilariante.

    É possível acreditar em eleições?

    A resposta simples é… SIM é possível acreditar em eleições!

    A resposta real, logo complexa, é… NÃO, excepto se fores um escravo boçal a executar as funções para que foste FORMATADO: “TRABALHAR, CUMPRIR, CONSUMIR“!

    Na realidade para a MANADA DE ESCRAVOS só existem DUAS ILUSÕES à escolha, e ainda se queixam da falta de opções! É preciso serem ingratos!

    De resto continuem a VOTAR… Já sabem que o vosso VOTO CONTA!

    😎

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: